Os Herois do Golfinho Dourado

O Desfecho em Mithrandûn
- Após vencer a Matriarca Shiva o grupo toma o caminho de volta para o acampamento anão.
- O grupo sente 3 pequenos tremores seguido de um tremor violento no caminho de volta.
- Ao chegarem encontram um clima de desolação e dor. Muitos anões feridos e mortos sendo carregados. Tudo absolutamente coberto com pó de pedra esmagada. A caverna central e outros tuneis auxiliares foram demolidos.
- Após algum tempo de aflição o grupo se encontra com Safira, muito ferida e com uma comitiva levando os corpos dos seus dois Sumo Sacerdotes: Ugrox Ungarion e Petrus Ourodin.
- Safira pensava que haviam perdido, mas ao receber as boas novas teve os ânimos renovados. Deu ordens para reunir os anões e espalhar a noticia da vitória.
- Os anões reunidos na praça central ovacionaram Safira e os heróis pelo grande feito. A máscara da Caçadora e outros itens drows foram usados como troféus pela multidão exultante.
- Os heróis dão a Safira até o dia seguinte para usar o Caduceu e reviver o máximo de anões importantes possível. Ela passa a noite fazendo isso e entrega o artefato ao grupo na manhã seguinte. Exausta e emocionada ela agradece pela ajuda e pede ao grupo que fiquem com a gema que aprisiona a alma da Matriarca Shiva.

Noticias de Telafium
- Nicolai contacta Yuri e o vê vestido em cota de malha. O garoto conta que o Minotauro Branco passou o dia concentrando todo o seu exercito no portão principal. Ele pode atacar a qualquer momento. O Rei Teodoro ofereceu todo o resto da comida que tinha aos que se voluntariassem para ajudar a defender o portão.
- Yuri conta que descobriu o crime do Rei, que autorizou que 100 humanos fossem mortos no ritual da Katifia. Ela usou centenas de animais anteriormente, mas dessa vez animais irracionais não seriam suficientes.
- O Rei Teodoro também assinou um decreto que dá a Yuri o direito de ser seu sucessor real e ainda desposar Aurora (filha do Duque Raoden, salvo pelo grupo no começo da aventura)
- Os anões de Nacar estão a poucas horas de marcha do flanco do exercito de Tarrás, o Minotauro Branco.

Preparativos para a Batalha Final
- Com as novas informações o grupo decide contactar o Felvo Heron, para enfrentar Calívar o mais rápido possível.
- o grupo pede ao Felvo que guarde a gema com a alma da Matriarca Shiva. Ele aceita.
- Heron explica que agora conseguirá terminar a sua investigação por engenharia reversa do que está estranho na trama mágica do universo.
- Heron entrega ao grupo a sua caixa de músicas, que irá bloquear magias de 8º e 9º círculos em uma grande área. Retirando uma possível vantagem de Calívar sobre eles. Ele também presenteia o grupo com poções e oeferece cantar uma canção para restaurar as habilidades do grupo, como se tivessem dormido por 8 horas. A canção demora 2 horas para surtir efeito.

A Canção do Heroísmo
- Heron começa a tocar uma bela música, que gradativamente deixa os heróis mais relaxados. Sem perceber eles começam a recordar bons momentos de suas vidas.
A música: Becoming A Legend

Lembranças:
- Nicolai: Lembra-se da primeira vez que viu Amalia, e seu coração palpitou. De sua alegria febril quando ela retribuiu o sorriso.
Lembra-se quando vocês subiram ao altar de Pelor e de como ela estava linda, os cabelos enfeitados com flores.
Lembra-se quando terminou o primeiro dia de trabalho na taverna. As costas doíam mas o sorriso vinha fácil.
Lembra-se quando Amalia pegou em sua mão e lhe contou que vc seria papai. A umidade das lágrimas lhe escorrendo pela face.
Um piquenique com os 3 filhos em um dia de folga. Como sente saudades daquelas risadas inocentes.
Um salto no futuro e vc sente o abraço carinhoso da família, após voltar de uma missão perigosa.
O êxtase inebriante e inexplicável de expandir a sua mente até quase o infinito, mergulhando nas belezas do Limbo.

- Xanaphia: Lembra-se da mão pesada e generosa de Sir Solomon Branford em seus ombros enquanto lhe secava as lágrimas na infância.
Lembra-se da energia prateada de Cuthbert percorrendo seu corpo pela primeira vez. Os olhares de espanto, e a cálida certeza de que eles sempre estiveram errados sobre você.
Lembra-se do dia que em que viajou para sua primeira missão. Ávida por fazer a diferença no mundo. O peso do símbolo sagrado no pescoço.
Lembra-se da empolgação de contar ao pai sobre os seus feitos após uma viagem. Do sorriso genuíno e olhar orgulhoso que ele lhe devolvia.
Lembra-se de uma batalha sangrenta, desesperada, e no fim todos os Homens Lagarto caídos, a alma lavada com o sangue dos profanadores do templo.
Seus ouvidos se enchem com o furor da multidão. Os calor dos seus olhos, marejados ao perceber quanta força e fé conseguiu transmitir para os desamparados. Eles não se importavam mais com sua aparência.
Escuridão, Olhos, disparos mágicos atingindo seu corpo, mas sem efeito, um urro monstruoso, o seu próprio, ao liberar toda a furiosa gloria prateada da justiça e derrotar o Beholder com um único golpe.

- Ajax: Lembra-se da risada poderosa do pai, que fazia estremecer toda a casa.
Do orgulho pulsante que sentiu ao saber que Artin havia sido aprovada na escola de Sacerdotes. A esperança de tempos melhores.
Lembra-se de como eram bons os dias simples, em que trabalhava na forja ao lado de seu irmão e seu avô. Da camaradagem e trabalho em equipe.
Você se lembra do chão inquieto.O barulho ensurdecedor de uma tempestade rasgado pelo ribombar do seu martelo na forja. O prazer em sentir o adamante cedendo, golpe após golpe. A fúria incontrolável de terminar o serviço e depois o êxtase de contemplar o céu estrelado, com a sua obra máxima nas mãos.
Os olhos de mitral de um velho anão, e as suas palavras paternais de sabedoria.
O saboroso peso da responsabilidade, quando um herói do passado depositou sua confiança em seus ombros.
Lembra-se da amizade genuína nos rostos de dois jovens humanos, do presente que se esforçaram para lhe fazer. Da satisfação de poder baixar a guarda, nem que seja por alguns minutos.
O abraço de Safira. Pela primeira vez os olhares de gratidão de seus semelhantes. A certeza de que seu nome será lembrado, não como um pária, mas como um ícone.

Entrando em Prismerith
- Prismerith: Dentro de um prisma gigantesco, há uma plataforma retangular de cristal, ao seu redor oito grandes pirâmides flutuam, emanando pulsos de energia nefasta. Um zumbido infernal toma conta do seu âmago. Estáticas de energia negra saltam aleatoriamente de uma pirâmide para outra. – Na plataforma vocês veem 2 figuras horrendas. O lich, ao centro, entoa cânticos de lamento, ferida e morte. Sob sua cabeça flutua um símbolo dourado de adoração profana.
- Inscrições em diversas línguas e pentagramas estão pintados em toda a superfície da plataforma e das pirâmides. As inscrições são antigas, mas muito menos do que a estrutura em si.
Ilustrações dos inimigos (Calívar e o Algoz)
https://www.pinterest.com/pin/299559812690911689/
https://www.pinterest.com/pin/299559812688668921/

Confrontando Calívar, O Lich
- Os heróis enfrentam Calívar com ferocidade redobrada, resistindo aos seus poderes e aos ataques do Algoz. Logo os dois são derrotados.
- Momentos após a queda do Lich, toda a estrutura estremece e o símbolo de Erythnul que flutuava ao centro se quebra, revelando a alma de Calívar, envolta em uma profana energia vermelha.
- Todas as almas aprisionadas nas pirâmides começam a ser sugadas em direção à Calívar, elas tentam resistir, mas é impossível, ele é um vórtex inexorável. . Ao se aproximar dele as almas se corrompem, tornando se negras. O amontoado de espíritos malignos se ergue, formando um Golem de Almas. Em seu âmago um pulso vermelho irradia energia negativa e a voz do que fora o Lich ressurge, amplificada milhares de vezes: “Vocês estão perdidos, TODOS estão perdidos”

Comments

douglasbaiense

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.